Home Lucros Ações para cortar gastos e aumentar o lucro

Ações para cortar gastos e aumentar o lucro

0
Compartilhe
Ações-para-cortar-gastos-e-aumentar-o-lucro

Veja o que deve ser feito para cortar gastos e aumentar lucro

Na edição anterior, foi mencionado que ninguém se torna rico cortando gastos e que para se ficar rico, deve-se aumentar o faturamento.

Também foi dito que sem lucro, continuaremos na mediocridade!

Observamos que o conceito de lucratividade constante deve ser a base do dono do negócio, como um mantra, para, então, repassar o conceito filosófico aos colaboradores todos. Isto pode levar meses ou anos.

Pois lucro, dinheiro, finanças, significam para muitos ganância, cobiça. As pessoas “negativas” confundem tudo, por pré-conceito!

Sugiro a leitura essencial do livro de Bob Fifer: “dobre seu lucros”, cujas linhas abaixo baseiam-se, em parte, neste autor.

Ações práticas significam descobrir seus custos estratégicos e não estratégicos.

Os primeiros significam tudo aquilo que diretamente “gera negócios” e faz aumentar os lucros, por exemplo..

custos de vendedores (mas não de gerentes de vendas),

publicidade (se estiver produzindo resultados),

de pesquisa e desenvolvimento comercializável,

atender na clínica ou no banho e tosa, ou na loja.

Quem está fazendo estas ações, está gerando dinheiro, que poderá se transformar em lucro.

Já os custos não estratégicos seriam todos os outros, isto é, aqueles custos necessários ao funcionamento da empresa, mas que não geram negócios de forma direta ou clara.

Todos os custos da administração pertencem a essa categoria:

Gerentes, contador, advogado, pessoal e material de escritório, alugueis, custo de móveis, consultores, advogados, computadores, custos de operar a produção de bens ou serviços, etc.

O seu papel agora será o de colocar no papel todos estes, analisar e comunicar a sua empresa que doravante vamos gastar mais que os concorrentes em custos estratégicos e gastar esse dinheiro nos tempos bons e maus.

E também reduzir ao mínimo possível os custos não estratégicos. A ideia parece simples, meio óbvia, mas se não estiver bem engajada neste conceito, a empresa não conseguirá cortar gastos.

Lembre-se de avisar a todos que empresa não é ONG, que tem obrigação de fazer caridade, benemerência. Nada contra, pelo contrário, mas empresa é feita para dar lucro, entre outras ações!

Outro ponto seria análogo, mas com o tempo. Tempo estratégico:

tudo o que se faz e produz lucro. Tempo não estratégico: é “trabalho” e atende às exigências de algum “processo”, mas não contribui para aumentar os lucros.

“O papel de um administrador é comunicar a todos que o primeiro lhe agrada muito e que o segundo lhe desagrada”.

Fazer isto exige antes ter sua equipe bem treinada, engajada em processos, em comunicação clara, Sem liderança do “patrão”, nada disto terá sucesso.

Esta liderança leva tempo a ser conquistada, e exigirá autoridade e não poder. O primeiro se consegue por respeito, o segundo, por medo.

Sabe-se que qualquer empresa trabalharia com menos 40% de material de escritório, e incrivelmente com menos 25% de funcionários, as vezes mais de 50%! Pois as pessoas não são eficientes nas horas de trabalho.

Calcule quanto tempo de cafezinho, fumo, conversa na cozinha, no facebook, no sofazinho, etc.

Claro que se precisa relaxar, mas alguns relaxam demais! Conforme diz Bob Fifer, é possível obter considerável economia com relativamente pouco esforço cortando com os fornecedores!

Descubra quanto seus colegas gastam com compras, e exija preços iguais.

Veja seu gasto com colaboradores, em geral não devem ser mais do que 20% do faturamento bruto. Se você paga impostos devidos, o que é de lei, e paga mais de 30% de comissionamento ou salário a seus veterinários contratados (o que parece ser a média nacional), você não tem lucro nos seus negócios! Faça as contas e verá!

Quanto a insumos, o valor total de compras, como seringas, agulhas, soluções, cateteres, etc não deve ultrapassar 10% do faturamento bruto.

Quanto a seu banho e tosa, se ele faturar abaixo de 18% do bruto total (entre clínica, banho e toa, e petshop), feche-o, ele não traz lucro. Cuidado com o mito de que petshop estética atraem clientes!

Sabemos que perto de 95% dos empresários e gerentes não praticam estas ações, o que pode ser visto como uma grande oportunidade competitiva!

Enfim, cortar gastos fica mais fácil para donos de negócios cuja liderança seja mais autoritária.

Os mais democráticos ou livres, tem mais dificuldade. Como já mencionado, a primeira etapa é você e depois sua equipe mudarem suas mentalidades em relação a lucros, desde que vocês desejem, claro. È ter nova filosofia de vida empresarial. A decisão é sua!

Marco Antonio Gioso
FMVZ-USP

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here